terça-feira, 4 de julho de 2017

Apreendido marfim obtido ilegalmente na Reserva Nacional do Niassa

A Polícia da República de Moçambique (PRM), no Niassa, recolheu três cidadãos aos calabouços, supostamente porque levavam consigo quatro pontas de marfim num autocarro destinado ao transporte semi-colectivo de passageiros.

O grupo foi neutralizado no distrito de Majune, quando viajava para a cidade de Lichinga.

Acredita-se que as referidas pontas de marfim provêm da caça furtiva na Reserva Nacional do Niassa, onde têm sido relatadas situações que colocam em risco de extinção diversas espécies faunísticas.

O produto tinha como destino algum país estrangeiro que não foi especificado pelas autoridades policiais.

Alves Mathe, porta-voz do Comando Provincial da PRM, no Niassa, disse que se está no encalço de outros integrantes da mesma quadrilha.

Refira-se que o chefe do Departamento de Fiscalização da Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC), Carlos Lopes Pereira, revelou ao @Verdade que um censo realizado em 2016 “indica que no Niassa continuamos a perder elefantes a um ritmo inaceitável”.

E há indicação de que “os elefantes [por exemplo] continuam a ser abatidos numa velocidade que vai conduzir à sua extinção”.



via @Verdade - Últimas http://ift.tt/2sodbOp

Related Posts by Categories



0 comments:

Enviar um comentário