sábado, 29 de julho de 2017

Oposição bloqueia ruas e já planeia o dia depois da Constituinte na Venezuela

Nem a chuva fraca nem a proibição de manifestações decretada pelo governo venezuelano impediram que a partir do meio da tarde de ontem começassem a surgir barricadas nas principais vias de Caracas. Nas redes sociais, a oposição apressou-se a denunciar o uso de violência por parte das autoridades para acabar com os protestos que se repetem há quase quatro meses. "Esta luta começou antes da Assembleia Constituinte. Esta luta é para conquistar a liberdade e lutaremos até vencer", disse o vice-presidente da Assembleia Nacional, Freddy Guevara, avisando que a eleição de domingo não irá travar a oposição.

A Mesa de Unidade Democrática (MUD), que reúne os opositores ao presidente Nicolás Maduro e tem a maioria no parlamento, lançou um apelo para que as ruas fiquem fechadas até domingo, de forma a mostrar a rejeição popular à eleição dos 545 membros da Constituinte. Mas Guevara lembrou que o protesto não acabará nessa altura: "O que vem depois de segunda-feira? Vamos anunciar uma agenda", indicou, citado no Twitter da MUD. "Vem aí um panorama que nos vai complicar tudo, mas muito mais à ditadura", acrescentou.

Se fosse vivo, Hugo Chávez teria feito nesta quinta-feira 63 anos. Nas redes sociais, houve muitos que recordaram o presidente venezuelano, que morreu vítima de cancro em 2013. Uns para lembrar o seu legado, outros para criticar o facto de ter deixado Maduro à frente do país. "Não só não penso ir votar, como vou sair com a minha T-shirt de Chávez para protestar contra Maduro", escrevia ontem o "chavista fiel" no Twitter.

Os bloqueios surgem após algumas zonas da capital terem estado parcialmente paralisada nas 48 horas de greve geral convocadas pela oposição. Na quinta-feira, face aos planos de uma grande marcha em Caracas, o governo anunciou a proibição de manifestações até depois da eleição da Constituinte e avisou que quem for apanhado pode ser condenado a penas entre os cinco e os dez anos de prisão. Para a oposição o processo para reescrever a Constituição é fraudulento e destina-se a perpetuar Maduro no poder. Para Maduro é a única forma de garantir o regresso da paz ao país.

A Conferência Episcopal da Venezuela reiterou a sua rejeição à Constituinte, "por considerá-la inconstitucional, mas além disso desnecessária, inconveniente e prejudicial para o povo venezuelano". Num comunicado lembram que esta "não foi convocada pelo povo" e "só estarão representados os partidários do governo". Na opinião da Igreja Católica venezuelana, "será um instrumento parcial e tendencioso que não resolverá, mas agravará, os agudos problemas do alto custo de vida, a escassez de alimentos e medicamentos que sofre o povo, e aprofundará e piorará a profunda crise política que vivemos atualmente".

As Nações Unidas expressaram também a sua preocupação, lembrando que "devem respeitar-se os desejos do povo venezuelano de participar ou não" nesta eleição. A porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Liz Throssell, lembrou que "ninguém deve estar obrigado a votar e quem decidir livremente participar deveria poder faze-lo em total liberdade".

O Programa Venezuelano de Educação-Ação em Direitos Humanos (Provea) revelou ontem, de forma anónima, testemunhos de cidadãos que são obrigados a votar para a Constituinte. "Estão a obrigar-nos a votar na Assembleia, disseram-nos que se não votarmos nos despedem", indicou um funcionário do Instituto Nacional de Transportes Terrestres, segundo indicou a Provea no Twitter. "Obrigam-nos a votar, a tirar o cartão da pátria [que regula o acesso a alimentos e bens de primeira necessidade que são distribuídos pelos programas do Estado] e vão-nos levar a votar a 30 de julho", terá dito outro funcionário, da Ferrominera del Orinoco, a empresa estatal de mineração de ferro.



via @Verdade - Últimas http://ift.tt/2vS7B8W

Related Posts by Categories



0 comments:

Enviar um comentário