sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

centro de documentação e informação desportiva de moçambique: FMV em assembleia-geral com eleições no topo da agenda

centro de documentação e informação desportiva de moçambique
centro de documentação e informação desportiva de moçambique - SAPO Blogs
FMV em assembleia-geral com eleições no topo da agenda
Feb 15th 2013, 08:18

A FEDERAÇÃO Moçambicana de Voleibol (FMV) reúne-se amanhã, em Maputo, em assembleia-geral ordinária, na qual dentre vários pontos d agenda, figura a realização do escrutínio para os novos corpos gerentes da agremiação.

 

Para além das aguardadas eleições, serão apresentados, apreciados e aprovados os relatórios de actividades e de contas do elenco cessante nos últimos quatro anos ou, seja 2009-2012.

 

 

Serão ainda apreciados os relatórios de actividades desenvolvidas pelas associações provinciais no triénio 2010-2012, de Nampula, Zambézia, Cabo Delgado, Manica, Sofala, Inhambane, Gaza, Maputo-cidade e Maputo-província.

 

 

Tete e Niassa são as únicas províncias que até ao momento não movimentam de forma oficial o voleibol.

Ainda na AG será apresentado e discutido o plano de actividade e orçamento da FMV para 2013, bem como aprovação de instrumento normativos daquela federação.

  

DOIS CANDIDATOS PERFILAM



 

Dois candidatos digladiam pela presidência da FMV. Trata-se do dirigente cessante, Camilo Antão e Kalid Cassam.Camilo Antão, dirigente da FMV há mais de 20 anos, e devido à sua longevidade na agremiação até o director nacional dos Desportos, Inácio Bernardo, já apareceu publicamente a desaconselhar a recandidatura de Antão por uma questão de "ética".

 

 

Todavia, Camilo não quis acatar ao apelo daquele dirigente e diz que é candidato da continuidade. Aliás, segundo suas palavras, sem ele, o voleibol não pode andar no país. Camilo Antão é internacionalmente conhecido, é muito próximo dos dirigentes da Federação Internacional de Voleibol, e diz pretender tirar proveito da sua influência além-fronteiras para desenvolver a modalidade no país.

 

 

"Vou avançar com a minha candidatura e estou confiante na vitória"- promete Camilo, tido em muitos círculos de opinião como um presidente "vitalício", com decisões unilaterais e pouco transparente na sua gestão.

 

 

Aliás, prova de que Camilo é prepotente no voleibol nacional, foi o facto de ter dito num programa desportivo da televisão pública que tem em manga uma proposta de um acordo com a federação brasileira da modalidade, mas que só irá assinar se for eleito no sábado.

 

 

"Só irei assinar o acordo em Março se for eleito, se não for não vou assinar este memorando que seria bom para o voleibol nacional.

 

 

O acordo é com a FMV, mas se ela for dirigida por Camilo Antão, e ninguém mais, até porque o presidente da Federação Brasileira de Voleibol é meu amigo pessoal e de trabalho, por isso sem mim na FMV não se vai avançar com este acordo que visa formar voleibolistas e técnicos nacionais no Brasil", disse Camilo, num programa em que esteve outro candidato, Kalid Cassam.

 

 

A posição de Camilo mostra o quão reduz o FMV assim como o voleibol à sua pessoa, colocando-se acima dos interesses da instituição, do país e do voleibol, atitude severamente deplorada pelo seu oponente.

 

 

Kalid Cassam é também uma velha raposa n modalidade. Actualmente exerce as funções de treinador da Académica de Maputo. Já foi secretário-geral da associação de andebol da cidade de Maputo e mais tarde presidente da agremiação, cargo que mais tarde colocara á disposições por razões meramente pessoais.

 

 

Promete mudar as coisas no vólei nacional, que na sua óptica está em crise profunda, para não dizer letargia."Tenciono massificar a modalidade, abrir mais espaço de opinião e gerir de forma transparente e democrática a colectividade. Pretendo, mudar a forma estar do nosso vólei, que está numa situação penosa", avisa.

 

 

Kalid promete durante o seu reinado a participação em várias prova internacionais, como olimpíadas, jogos africanos ou campeonatos de diferentes regiões. Para isso, o candidato advoga deve haver uma maior competitividade a nível interno e em diferentes escalões.O candidato quer dar voz aos que neste momento não tem voz na modalidade, desenvolvendo infra-estruturas, que segundo ele praticamente não existem para a prática de voleibol.

 

 

"Voleibol deve sair do absolutismo a que está votado, são mais de 20 anos de regressão, com uma modalidade onde apenas uma pessoa tem voz e decide tudo. Se quisermos mudar as coisas devemos saber votar e se não quisermos podemos votar ao senhor Camilo Antão", frisou.
Fonte:Jornal Noticias

You are receiving this email because you subscribed to this feed at blogtrottr.com.

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe from this feed, or manage all your subscriptions

Related Posts by Categories



0 comments:

Enviar um comentário