quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

@Verdade online: Massone: O contributo de Moçambique na cultura do mundo!

@Verdade online
@Verdade Online - Jornal que está a mudar Moçambique
Massone: O contributo de Moçambique na cultura do mundo!
Feb 14th 2013, 11:21

Vasculhando-se entre as onze faixas que compõem o Massone, o primeiro trabalho discográfico do célebre baixista moçambicano, Carlos Gove, descobremse vestígios da luta dos povos pela liberdade – como foi apanágio dos finais do século XIX. Na essência, o álbum é constituído por uma "world music" – com forte influência da cultura Copi – constituindo, desse modo, o contributo de Moçambique na herança cultural universal dos Homens. Cada música é um workshop...

Uma viagem para um reino rico em termos de herança sociocultural é tudo o que se nos sugere quando, em Massone, escutamos a primeira composição com o título Inharrime. A música encanta o ouvido e prende-o às sonoridades que se lhes chegam, a fim de que – a par do seu autor – os ouvintes se associem à cerimónia da prestação de tributo às gentes daquela parcela da nossa terra.

A última vez que em Inharrime se assinalou a presença de Carlos Gove foi em 1979. Agora, mais de 30 anos depois, com Massone – o tal movimento progressista –, o artista retorna àquela região do país (onde, em certo grau, se encontram as suas raízes) bem-sucedido. Como se pode descrever o ritual – ou, no mínimo, o cenário – da sua recepção com a sua obra.

Carlos Gove sente-se impelido a situar-se no tempo. Reinventa nostalgias a fim de acabar por reiterar que "a última vez que estive em Inharrime, sob o ponto de vista de tempo, foi em 1979. Na altura tinha 17 anos. O meu objectivo era visitar os meus familiares. Sucedeu que quando cheguei encontrei-me com alguns jovens que, na altura, já tocavam. Criámos a banda musical Os Surpreendentes de Inharrime".

Na ocasião, se é que nos dias actuais se operaram grandes transformações, o grande obstáculo é que "Inharrime era uma vila pobre em que, nos fins-de-semana, a única diversão para a comunidade local não transcendia a dimensão de conversas. A diferença, para variar, é que por lá existia um cidadão de nome Badru que – devido à sua estada em Portugal por alguns anos – possuía uma perspectiva diferente de interpretar a realidade. Enquanto os meus familiares ficavam preocupados em relação ao movimento artístico-musical que nós criávamos, para Badru, com aquela manifestação, podia-se despertar o gosto (adormecido) das pessoas em relação à prática de turismo local".

Atraiu-se o grupo para o Hotel Inharrime, uma estância turística local, de onde evoluiu até que começou a realizar concertos na cidade de Inhambane, a capital da província com o mesmo nome. "Os eventos eram um sucesso. As pessoas aderiam de forma favorável, até que um dia nos apercebemos de que o espaço era pequeno", refere Carlos Gove que acrescenta que ele ganhou outro tipo de ambições porque "já escutava músicas feitas noutros quadrantes do mundo, com destaque para os Estados Unidos da América".

Um bom rapaz

Impulsionado por essa percepção, incluindo os estímulos de alguns amigos, em 1983, Carlos Gove aproveitou uma boleia de avião de um amigo que trabalhava na Força Aérea de Moçambique e veio para Maputo. O país estava em conflito armado. Dias depois da sua chegada à capital moçambicana, Gove foi convidado a fazer uma audição na Empresa Moçambicana de Entretenimento, que tinha como objectivo a criação da Banda Ghorwane que só começaria a trabalhar no ano seguinte.

Associou-se a vários artistas como, por exemplo, Hortêncio Langa – que na altura era o responsável da Empresa Moçambicana de Entretenimento –, incluindo Pedro Langa. Num Moçambique mergulhado na guerra, incluindo as dificuldades que daí surgiram, sobre aquela época e a sua relação com a música, Carlos Gove congratula-se com o facto "de ter sido seleccionado. Passei a pertencer a uma empresa que tinha equipamentos musicais novos, num país em que era difícil encontrar, pelo menos, uma guitarra velha".

Percebe-se que ao longo das três décadas da existência da banda Ghorwane – com a qual trabalha como baixista – foi muito difícil que Gove se deslocasse, para permanecer por um bom tempo, a Inharrime. É por essa razão que, "passado tanto tempo, agora, comecei a olhar para o passado, 30 anos depois, e questionei-me: de onde é que venho?".

"Eu não nasci em Inharrime, mas os meus pais são de lá. Tenho uma forte influência daquela parcela do país. Falo perfeitamente cicopi. Conheço bem as vivências do respectivo povo. Não cresci com os macopi, mas sinto-me 100 porcento copi".

Uma homenagem

Em determinado momento – antes de Carlos Gove referir que "glorifico a Deus por tudo o que está a acontecer" – sentimos que o artista trava uma relação de vivência umbilical com os macopi que o fez sentir a necessidade de homenagear Inharrime, entendido – não como espaço físico mas – como as inúmeras figuras anónimas que por lá existem. "Conversei com pessoas idosas e crianças, até que me apercebi de que um macopi é uma pessoa humilde que – apesar de ser muito inteligente – possui um problema sério: ele não quer nem faz esforço para mostrar que é sábio".

Nesse sentido, "procurei uma maneira de prestar um tributo ao distrito de Inharrime, pelo facto de ser o berço de grandes personalidades da nossa herança cultural, mas que não são (re)conhecidas. Com base nesta proposta musical, olhando para o espaço de onde eu venho penso que – para quem quer conhecer Massone – tem de enveredar por este caminho para que encontre a porta escancarada. Trata-se de um álbum que retrata as vivências dos moçambicanos nas várias localidades, ou bairros, do distrito de Inharrime, como um povo".

Grandes desafios e grandes resultados

Na verdade, ainda que a música de Gove se defina como afro-jazz, ela resulta da mescla de diferentes géneros e ritmos da canção tradicional africana. Trata-se de estilos musicais e de danças como Xigubo, Ngalanga e Nfena, por exemplo. Como é que o resultado disso – que se impõe como "world music" – é recebido pela sociedade?

A experiência do artista é que "o álbum está a ser recebido com muita alegria e sem muitas dificuldades na percepção da proposta musical que faço. É muito difícil afirmar que consegui fazê-lo bem, mas tenho a sensação de que, pelo menos, em 80 porcento fui bem-sucedido".

Além do mais, ainda na altura da captação das composições "as crianças já cantavam as músicas com um grande regozijo". De uma ou de outra forma, "eu como músico sabia de que ia ser um exercício muito difícil explorar algo bruto dos ritmos tradicionais e enquadrá-lo nos compassos modernos com os respectivos instrumentos e garantir alguma simplicidade no produto final".

Ou seja, "o maior desafio foi trabalhar no sentido de obter um produto que fosse simples de modo que – além das pessoas mais entendidas na música como os artistas, os jornalistas e os críticos de arte – todos acolhessem a obra com agrado. Como é que nós poderíamos conseguir fazer com que o cidadão pacato ao escutar o álbum, conviesse que, de facto, dizem que esse género musical é afro-jazz, mas é boa música?".

De acordo com Gove que também é membro das bandas Ghorwane e Nondje, a par da satisfação dos demais artistas que participaram na produção do álbum, o maior ganho é o facto de que, mesmo os timbileiros tradicionais, os que não são a favor da miscigenação daquele instrumento com os modernos, em Massone sentem-se identificados. "Sente-se que a Timbila não foi ofuscada, mas que se destacou algo peculiar que ela possui que pode ser escutado por pessoas de vários lugares e afeições musicais".

O sistema

Em quase todo o disco, Carlos Gove desenvolve uma abordagem concentrada na questão da luta pela liberdade em vários níveis. Por exemplo, em Marrabenta Groove – um dos temas interpretados por Sheila Jesuita – o apelo é pela liberdade da mulher.

Em Moçambique, ainda que os resultados ainda não sejam satisfatórios, esse debate – a liberdade da mulher e da rapariga – é antigo. Através da música, produzindo um novo sentido, Gove introduz-se na discussão. A sua exposição oral sobre o assunto é clara: "a rapariga, bem orientada, pode alcançar altos patamares em vários sectores". No entanto, para si, "o problema é que nós – os homens, como pais, muitas vezes – nos sentimos impelidos a sugerir sobre que tipo de classe social a filha deve pertencer quando decidir casar-se".

De qualquer modo, em The Sistem – uma composição do inquestionável saxofonista moçambicano Muzila – Carlos Gove leva a sua luta pela liberdade, essa necessidade de progredir, ao mais alto nível. É que na referida música, igualmente rica em cenários cinematográficos, incluindo o combate à opressão secular, considera-se que "The Sistem is like Babylon destroying nature/ Emphasizing science upon divine criation".

Na verdade, na acepção de Massone, o sistema é um câncer maligno que pode ser entendido como todos os problemas do século XXI – a corrupção, as crises financeiras, o financiamento de guerras gerando-se incalculáveis perdas humanas, o desequilíbrio ecológico, a insegurança alimentar – cujo impacto compromete não somente as gerações actuais, como também as vindouras.

À guisa de ilustração, manipulados pelo sistema, os moçambicanos – que são um povo pacato que sabe fazer relações públicas – são capazes de expressar um altruísmo doentio. Nas palavras de Gove, eles "têm o problema da falta de atitude para melhorar a sua própria vida. Quando entendem, facilitam mais a vida de cidadãos estrangeiros, em detrimento dos nacionais".

De uma ou de outra forma, que se esclareça que isso não significa que os moçambicanos não sejam pessoas solidárias entre si – porque, por exemplo, "agora que as cheias se abatem contra nós, no país, as nossas diferenças são colocadas à parte e prestamos apoio uns aos outros – o problema é que é uma solidariedade de pobre para pobre".

Ainda neste ano, serão realizados concertos para a apresentação oficial do álbum que não pára de atrair admiradores. Em Maputo, a obra pode ser adquirida nas principais casas de cultura. Agora, o grande desafio é colocá-la no mercado mundial.

You are receiving this email because you subscribed to this feed at blogtrottr.com.

If you no longer wish to receive these emails, you can unsubscribe from this feed, or manage all your subscriptions

Related Posts by Categories



0 comments:

Enviar um comentário